terça-feira, agosto 22, 2006

Mais sobre "A estratégia da aranha"

Recebi um comentário, de um anónimo, no post “A estratégia da aranha” que publiquei recentemente sobre a adjudicação de algumas obras por parte da Câmara Municipal de Lisboa. Aqui o publico com um agradecimento ao “Anónimo” que o fez:
.
Sou o mesmo funcionário da CML que «não dorme em serviço» e que vos forneceu estas pistas, mas que não se pode identificar. Se não, até me comem vivo…
.
Sobre Fontão de Carvalho, há muito mais para ver e concluir:
caneiro de Alcântara (um pouco mais de 2 milhões de €)
-
Ou um pouco mais:
.
Voltando a Fontão:
Verdade se diga, Fontão não participa em votações em que esteja em causa a Alves Ribeiro.
Dois exemplos:
Queiram ver as
votações das propostas 530 e 531
Mas já não assim noutros casos: ver as
propostas 701. 704 e 705
E há um caso estranho em 2002 mas que radica em 2001:
Viaduto Eixo N / S: 4,5 M € Disse Pedro Pinto na altura: «… Fontão de Carvalho exarou despacho favorável».
.
Bom. Isto já vai longo. Mas… E se eu lhes der mais uma dica?
Mas não sei se vale a pena. Ninguém faz nada… Mas aí vai:
É sobre o
caso da hasta pública dos terrenos de Entrecampos onde antes estava a Feira Popular (outra falha que é um escândalo: ninguém quer saber de o Povo de Lisboa ter perdido o seu local de divertimento popular por excelência para dar lugar a negócios e mais negócios imobiliários. E ninguém pede contas a esta maioria. Mas, adiante…).
Nesse caso, o 3º candidato, a empresa Alves Ribeiro (agora já toda a gente sabe que o sr. Alves Ribeiro é sogro de Fontão de Carvalho, o vice de Carmona) diz que vem associada com a Alrisa. Mas essa é uma empresa da Alves Ribeiro. A Liscenter, não sei. Mas na CML toda a gente sabe que a Alrisa e a Alves Ribeiro, SA, são a mesma coisa. Até circulam os sítios da net onde se vê bem isso. E «Al» é de Alves; «ri» é de Ribeiro; «sa» é de SA. Se não acreditam, vejam que até o endereço é o mesmo:

11 comentários:

  1. Haja quem seja capaz de dizer alguma coisa... sobretudo quem está dentro do convento, ainda que seja sobre anonimato por temer represálias.
    Obrigada Kaos, por teres este espaço!
    Jinhos

    ResponderEliminar
  2. espectacular..........
    um rectângulo feito de podridão!

    ResponderEliminar
  3. tb:
    O mal muitas vezes é as coisas correrem só no segredo dos serviços e nunca serem do conhecimento geral. Se houvesse mais gente capaz de contar aquilo que se vai passando talvez se pudesse correr com muita da corrupção que por ai anda.

    luikki:
    Não há serviço onde a podridão não tenha jé entrado. Isto está a necessitar é de uma limpeza geral

    ResponderEliminar
  4. A podridão e compadrio neste nosso Portugal já é demais. Além disso começa a ser gritante porque o fazem às descaradas. E ninguém parece poder fazer nada... Sei do que falo, pois isto não acontece só em Lisboa.
    A minha mulher trabalha numa empresa que concorre em vários concursos públicos. Já aconteceu um concurso ser anulado, porque a proposta que os senhores donos do concurso queriam que ganhasse, não tinha forma de ganhar pelas regras do concurso, assim sendo se não pode ganhar a que interessava aos senhores donos do concurso, anula-se o concurso...
    Estamos atolados em corrupção até ao pescoço e não vejo melhoras, antes pelo contrário...
    Um Abraço.

    ResponderEliminar
  5. Cá está o desabafo: "Ninguém faz nada."
    Não fazem por que os que podiam fazer,que tem poder para isso também têm telhados de vidro e também estão mergulhados até ao pescoço no estrume da corrupção ( como diz o Outsider )...

    E casos como esse que ele refere... Meus amigos! Até os concursos são contornáveis... Basta adaptá-los aos que se pretende... jÁ vi vários concursos serem moldados... Agora imagino nestes casos onde mexe com milhões...

    à já uns anos concorri para um emprego público. Fui com um amigo meu, ele engenheiro, eu licenciado. Preenchi os formulários de candidatura e entreguei-os à funcionária. Ela leu-os e pareceu ficar bastante nervosa e irritada. Leu-os outra vez e outra... Por fim chegou-se junto de nós com um sorriso cínico e afirmou: Falta a cédula militar!
    Como nunca nos tinham pedido aquilo, nenhum de nós a trazia. Eu respondi à alforreca: Minha senhora, o serviço militar já não é obrigatório e acha que eu e o meu colega ainda estamos em idade de voltar para a tropa?
    A besta poisou as candidaturas bruscamente na mesa e afastou-se de nós enquanto revelava as suas razões entre berros animalescos: O meu filho também teve de entregar a cédula! Assim não posso aceitar!
    O concurso terminava naquele dia e estavamos ainda longe de casa... Menos dois! O filho da estupida podia estar mais descansado!

    Na altura não fiz nada, mas se fosse hoje teria armado confusão da grossa. É que já percebi que esta gentalha não está habituada a quem dê luta... E um valente murro numa mesa pode fazer milagres!

    abraço

    ResponderEliminar
  6. Como prémio por ter publicado - embora sem os links, o que é uma pena para quem lê -, dou-lhes mais uma (como já perceberam, sou o mesmíssimo funcionário que tem de estar camuflado):

    Relativamente à construção ilegal da Infante Santo, gostava que dessem atenção a dois ou três pequenos pormenores.
    O Bibi é que arca com as culpas todas. Mas isso é injusto: não é só ele. Na Infante Santo estão envolvidas as empresas Bragaparques e FDO: dois elefantes «cheios» de investigações da Judiciária. Mas estas, nem se percebe porquê, nunca passam disso: «investigações»…

    Se não acreditam, vejam bem:

    1. Não é só o Bibi:

    a) FDO tem parte na Infante Santo com Bibi:
    http://imobiliario.publico.pt/cgi-bin/not_1_1.asp?notid=1080

    b) FDO é dada como subsidiária da Bragaparques:
    http://www.bragancanet.pt/oinformativo/complecta.php3?id=4104

    c) … e até constituíram em conjunto lá em Bragança uma empresa: «Posteriormente, a Câmara Municipal obrigou a empresa construtora a estar sedeada em Bragança, pelo que a «Bragaparques» e a “FDO” constituíram a “Parq B – Estacionamentos de Bragança”, com o capital social de 10 mil contos, para quem passaram a obra.» (in “A Voz do Nordeste”)
    http://www.bragancanet.pt/voznordeste/complecta.php3?id=4843

    d) BragaParques é participada pela FDO:
    http://www.diariodetrasosmontes.com/noticias/complecta.php3?id=6049

    2. Tem interesse ver também um Relatório do Tribunal de Contas de 2004 relativo à Câmara de Bragança:
    http://www.tcontas.pt/pt/actos/rel_auditoria/2004/rel004-2004-2s.pdf#search=%22FDO%20participa%C3%A7%C3%B5es%20Bragaparques%22

    O funcionário camuflado despede-se por hoje:
    Até breve...

    ResponderEliminar
  7. Caro anónimo:
    No post que publiquei com os seus anteriores comentários, que agradeço mais uma vez, os links estão publicados, bastando para isso clicar nos assuntos. Uma outra forma de apresentação, mas com o mesmo conteudo. Espero que me desculpe tê-lo feito mas é só para não ficar tão confuso com todos aqueles links compridissimos.
    Mais uma vez obrigado e vou fazer um post com mais este comentário. Quem sabe se algo muda com a divulgação destas trapalhadas.
    um abraço

    ResponderEliminar
  8. Caro Anónimo:
    Já agora gostava de saber, se souber e for possivel, a razão pela qual o construtor João Bernardino Gomes (entretanto falecido) no concurso publico para o empreendimento da feira popular ofereceu o preço mais altoe e foi preterido. Mas sobretudo a razão porque acatou a razão pacificamente sem reclamar.
    Obrigado
    um abraço

    ResponderEliminar
  9. Com todo o gosto.
    Ninguém sabe com certeza científica. Mas como ninguém é propriamente estúpido, o que por aqui constou na altura é o que lhe posso dizer. E, até agora, continuamos a pensar o mesmo.
    A questão é muito vasta. E tem vários passos intermédios. Nós, nas autarquias chamamos a isto «cambão»: conluio para obter um resultado aparentemente de forma legal mas com acordos irregulares por trás.
    Eis alguns passos deste intrincado negócio:
    Santana negoceia a troca de parte dos terrenos da então Feira Popular pelo Parque Mayer com a Bragaparques que entretanto comprara o recinto.
    Parece que depois se formou outra empresa para gerir este investimento – a tal Parque Mayer, Investimentos Imobiliários (Parque Mayer), S.A..
    Será esta que vai aparecer na tal hasta pública – mas já detendo uma parte dos terrenos ao lado dos tais que estavam nessa altura em hasta pública.
    O direito de preferência está consignado no normativo que regulamenta o decurso da hasta pública – e foi contestado por alguns eleitos, mas sem sucesso.
    Segue-se a hasta pública.
    Três factos esquisitos, neste processo nesse dia: dois concorrentes desistem antes de mais nada; um concorrente (João Bernardino Gomes) é objecto da tal preferência; a P. Mayer fica outra vez dona do bolo.
    Cheira a esturro ou não: em alguns minutos dois desistem, um deixa que outro exerça a preferência e nem um euro a mais quer oferecer?
    Que diabo.
    Não lhes parece estranhíssimo?
    Não devia o Ministério Público ver isto tudo à lupa, se soubesse o que procurar?
    Ou estava tudo previsto nos bastidores ou nós somos todos estúpidos.
    (O «cambão» tem sempre por trás outras contrapartidas em negócios próximos: quem cede, nunca perde. Ou melhor: perde neste, ganha no seguinte).
    Mais fácil do que o Sudoku!

    ResponderEliminar
  10. Apesar do anaonimato (compreesnivel deste CIDADÃO), o que está a fazer é absolutamente meritório e espero que alguém com poder para fazer alguma coisa (jornalistas honestos e investigadores do memso calibre) tenha os tomates necessários (pardon my french) para se pegar na ponta da meada e ir fuçando. Eu espero, mas duvido que assim seja. Repito, é contudo louvável a sua atitude caro anónimo camuflado. Tenho orgulho em que seja meu compatriota. Em ti, Kaos, claro que também, por seres também uma voz neste deserto. bjs

    ResponderEliminar
  11. Funcionário camuflado:
    Obrigado. Mais uma informação boa para divulgar e para que todos nós, que não andamos metidos nos meandros destas trapalhadas, podermos entender melhor como isto funciona.

    Esteva:
    Obrigado pelo teu apoio e podes contar que aqui continuarei a publicar todas as informações que receber. Quanto maior for a divulgação mais hipoteses há para esta gente ser apanhada.

    ResponderEliminar