quinta-feira, Novembro 30, 2006

As bruxas do fim-de-semana

Agora que se aproxima um fim-de-semana esticado precisava de encontrar um assunto para lhe dedicar. Isto...não, aquilo…não, até que reparei que o meu post sobre a Bruxa de Felgueiras tinha muito mais comentários do que os outros. Seria porque aquela bruxa apresentava bons atributos físicos, ou simplesmente porque neste momento de angústia que se vive neste jardim, já atingimos o desespero de procurar as soluções em magia, mezinhas e feitiços. Como não tive para pensar muito sobre o assunto resolvi que era esta segunda hipótese a certa. (Está-se mesmo a ver, não está). Estava decidido ia ser um fim-de-semana dedicado às bruxas.

Primeira tarefa encontrar imagens de bruxas para adaptar às personagens. Andava eu nisso quando, à frente dos meus olhos, surge um parzinho quase perfeito e que tinha de ser feito de imediato. O Casal Soares, velhas bruxas que tantas “amarrações” lançaram sobre nós ao longo dos anos. Outras bruxas se seguirão, com mais vassouras, caldeirões e chapéus em bico.

PS: Para que não penso em vocês também meterei alguma “carne” à mistura.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

Porque hoje é quinta-feira

Depois de uma semana em que cada um teve de andar para seu lado, eis que finalmente chega a quinta-feira e com ela o dia do reencontro.
- Olá Aníbal, então tiveste saudades minhas? Perguntou a Sócretina enquanto lhe arrefinfava com dois sonoros beijos.
- Vens muito contente Sócretina. Pelos vistos anda tudo a correr-te tão bem que parece que tu é que não tiveste saudades minhas.
- Não é nada disso, claro que tive saudades tuas, e se estou tão contente é por estar aqui contigo.
- Tu és mesmo uma grande mentirosa, sua marota. Pensas que eu não te vi a passear em Badajoz, toda sorridente e a comprar uns caramelos com o caramelo do Zapateiro.
- Não me digas que estás com ciúmes Aníbal. Tão querido que tu és. Não foi nada disso, e se não tivesses guardado para ontem aquilo que te pedi há tanto tempo, e já tivesses aprovado aquilo do aborto mais cedo, nem tinha tido necessidade de lá ter ido.
- Ai agora a culpa é minha. Era só o que me faltava, eu que tive de andar lá pelo norte a inaugurar umas coisas e a dizer umas tretas para alegrar aquela gente. Apanhei cá umas molhas que nem sei como é que não fiquei doente.
- Coitadinho do Aníbal. Eu sei que foi uma semana difícil para ti, mas vê lá eu que depois de Badajoz ainda tive de ir a Riga por causas de umas coisas da NATO e ainda tive de aturar o chato daquele americano, o Bush. Vá lá que ele me fez uns elogios senão tinha sido uma seca.
Pegando na garrafa e enquanto enchia dois copos de espumante, o Sr Silva disse:
Este é do bom, diz aqui “Reserva especial”. Foi a Maria que o comprou ali no hipermercado e nem foi muito caro porque estava em promoção. Também queres uma fatia de bolo-rei?
- Aníbal, não te vais por para ai a comer bolo-rei agora, pois não? É que depois fico toda cheia de migalhas na roupa e no cabelo e hoje já tomei o meu banho. Nem penses nisso, comes depois de eu me ir embora. Faz é um chin-chim comigo.
Tocaram com os copos um no outro enquanto os seus olhos se cruzavam num sentimento de urgência.
- Traz mas é a garrafa e vamos até lá dentro que isto está sol mas faz aqui muito frio. Anda mas é dai para me aqueceres.
Fechou-se a porta, e tudo o que encontramos mais tarde no lixo, foi uma garrafa de espumante, Reserva Especial”, e uma fava ainda com pedaços de bolo-rei agarrados. Não conseguimos descobrir a quem terá saído.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

Esta coisa chamada Miguel Frasquilho

Andava eu na Internet à procura das notícias sobre o debate do Orçamento na Assembleia da Republica, para confirmar os números ditos pelo Ministro das Finanças sobre a taxa real de IRC paga pela Banca, (tinha ouvido ao longe qualquer coisa como 11,3%, já considerando a dedução de previsões, e 6% considerando só resultados brutos de exploração), quando me aparece à frente um artigo do economista e deputado do PSD Miguel Frasquilho. Imediatamente me arrepiei todo. É que, embora ainda não tenha falado aqui desta personagem, é alguém por quem sinto um incontrolável asco. Isto acontece desde o primeiro dia em que o vi, e tanto a sua imagem como aquilo que diz, me fazem ficar enjoado. Nada tenho contra ele que seja diferente daquilo que tenho contra os economistas neo-liberais que agora por ai pululam, mas por uma reacção estranha, este mexe-me com os nervos. É um nojo irracional e contra o qual nada posso fazer.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

quarta-feira, Novembro 29, 2006

Salas de chuto

"Salas de chuto", (ICAR), deverão avançar em Lisboa, com duas experiências-piloto, no primeiro trimestre de 2007. A intenção foi ontem aventada pelo vereador da Acção Social da Câmara de Lisboa, Sérgio Lipari Pinto.
Embora existam pequenas variações, as “salas de chuto” de outros países não se limitam a promover o consumo asséptico de estupefacientes. O seu objectivo central é reduzir os riscos associados ao consumo de drogas (como a morte por overdose e a propagação da SIDA e das hepatites), mas também tentam facilitar o acesso a tratamentos de desintoxicação e a outros cuidados de saúde e apoiar a reintegração social dos toxicodependentes. Estes, poderão contar com apoio médico, psicossocial, alimentar, de higiene e receberão informação sobre programas de tratamento.

Normalmente gosto de brincar aqui no meu blog, mas este assunto é sério demais para isso. Espero que estas novas salas provem ser uma boa medida e que ajudem a definitivamente acabar com esse flagelo que são as drogas duras. Já morreu gente demais devido ao seu consumo, e muitas vidas poderão ser poupadas se a ajuda estiver perto daqueles que tiveram a infelicidade de ser apanhados na malha da toxicodependência. Para todos aqueles que são pais, este é certamente um dos seus maiores pesadelos.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

A Bruxa de Felgueiras

Parece que uma bruxa que anda a assombrar Felgueiras vai finalmente ser acusada e julgada por alguns dos crimes de que é acusada. Sabendo dos seus poderes, e de todas as novas receitas mágicas que aprendeu quando andou as frequentar as prais de Copa-Cabana no Rio de Janeiro, muitos suspeitam que ela acabará por se safar e ser transportada em ombros pelos crentes locais.
Alguém quer arriscarfazer aqui uma "aposta" de como tudo isto irá acabar?

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

O Al-Sahhaf português

Teixeira dos Santos foi hoje acusado, pela oposição, de se comportar como o antigo Ministro da Informação de Sadam Hussain, Al-Sahhaf. Em defesa do ministro saíram os deputados do PS, afirmando não ser correcto proferir aquele tipo de acusações num local como a Assembleia da Republica.
Para que não fiquem dúvidas, o WeHaveKaosInTheGarden, lançou-se numa busca e conseguiu encontrar esta fotografia, tirada quando da invasão do Iraque e, onde se pode confirmar que Teixeira dos Santos e Al-Sahhaf são uma e a mesma pessoa.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

terça-feira, Novembro 28, 2006

Flexigurança

A imaginação desta gente parece não ter limites. Agora é a "flexigurança", a ultima invenção para nos convencerem da sorte que teremos em não sermos aumentados, não termos um horário de trabalho e como a felicidade passa por sermos despedidos. O governo lança a ideia para o ar, os patrões já esfregam as mãos de contentes e nós podemos já ver o nosso futuro mais negro.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

A Virgem ofendida

Ontem, enquanto conduzia para casa ouvi a noticia de que o Tribunal de Contas, numa auditoria à empresa que gere o Metro do Porto, tinha feito várias recomendações ao governo sob a forma como o estado devia exercer a sua participação na mesma, e que considerava exagerado que administradores, não executivos e que só pertenciam à administração por inerência dos seus cargos de Presidentes de Câmara, sem nenhuma função especifica a não ser comparecer em reuniões de quinze em quinze dias, possuíssem um cartão de crédito para despesas de representação, com o saldo de 1200 euros mensais, e que somados ao vencimento que ali lhes pagavam contabilizavam uns belos 4500 euros. Os visados neste caso eram Valentim Loureiro e Narciso Miranda. Ouvi isto, chamei-lhes de chulos na minha cabeça, e nem ia ligar muito mais a isso. Mais um cargo daqueles que vão acumulando e que faz com que ao fim do mês esta gente consiga “empochar” uns cobres.

Então porque mudei de ideias e estou aqui a escrever isto? Simplesmente porque, mais tarde, apareceram na televisão os dois a justificarem-se, quais virgens ofendidas, e a dizer que não era bem assim, que depois de pagos os impostos não era tanto dinheiro tendo mesmo o honesto Valentim afirmado que isto nada mais era que um ataque às autarquias e aos Presidentes de Câmaras. Surgiu-me então a dúvida, se ao fazer aquelas afirmações, o São Valentim estava a afirmar que todos os Presidentes de Câmara têm “tachos” destes que vêm a lume de quando em vez, ou se simplesmente estava a atirar areia para o ar para assim poder passar mais despercebido no meio da confusão. Ao escrever isto surgiu-me ainda uma terceira hipótese, a de serem as duas hipóteses verdadeiras. O que pensei, e era para ficar no silêncio na minha cabeça quando guiava o carro para casa, digo-o agora bem alto: - Chulos.

PS:Já depois de escrever este post re-ouvi o Valentim e mais uma pérola saiu da sua boca, a de que temos todos de nos convencer que as pessoas têm de ser pagas não por fazem ou não fazerem, mas pela responsabilidade que têm, e o Metro do Porto mexe com muitos milhões. Só posso dizer que isso já nós tinhamos notado, Sr. Valentim.


Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

Uma Miss na Turquia

O Papá Ratsszinger vai à Turquia, um país onde 99% da população é muçulmana, numa viagem de charme. Uma viagem de quatro dias para tentar esquecer as infelizes afirmações que proferiu há algum tempo atrás e onde, como penitencia, vai defender a entrada da Turquia na União Europeia. Só posso esperar que desta vez leve a lição bem estudada e faça um discurso tipo “Miss”, defendendo a paz no mundo e o fim da fome e da pobreza. É que eu, tenho sempre medo do que dizem estes personagens que se dizem representantes de Deus na terra.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

segunda-feira, Novembro 27, 2006

O almoço mistério da Sócretina

Um dos nossos repórteres, que suspeitamos que foi atacado pelas SSS (Serviços Secretos Sócretinianos), enviou-nos esta fotografia. Não tinha nenhuma nota nem qualquer outra informação sobre o quando, onde, porquê e com quem se encontrou. Talvez alguém nos saiba esclarecer este mistério.

PS. Claro que isto é tudo treta, mas apeteceu-me fazer esta imagem e como não tinha nada que fazer com ela...inventei.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

Porque eu é que sou o Presidente da Comissão Europeia

Durão Barroso, que enquanto primeiro-ministro português, em 2003, apoiou activamente a intervenção militar no Iraque.
"Na altura, tomei a decisão que pensei ser a melhor para os interesses portugueses", disse, justificando que a mesma foi tomada a pedido e em apoio de importantes e históricos aliados de Portugal, como os EUA, o Reino Unido e a vizinha Espanha.
Portugal "não perdeu nada", pelo contrário, "só ganhou credibilidade na ocasião". Exemplificou com o facto de, pouco tempo depois, ter sido convidado para o cargo de Presidente da Comissão Europeia, com o apoio de países europeus que se opuseram à intervenção no Iraque, como a Alemanha e a França.
"Mas temos de reconhecer que as coisas estão a correr mal no Iraque. Estão mal", rematou José Manuel Durão Barroso.

Quando já todos, mesmo os próprios Americanos, reconhecem que a invasão do Iraque foi um erro monstruoso, que as razões apresentadas foram baseadas em mentiras, parece que só o nosso "Cherne" ganhou alguma coisa com isso.
Será que afinal a invasão do Iraque foi realizada, morreram milhares de pessoas, a região está em total confusão, a guerra civil parece inevitável, e tudo isto não pela loucura do Bush, nem pela sede sede de petróleo, mas tão simplesmente, para benefício do Durão Barroso?

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

Comentadores de Portugal - Josá António Saraiva

Quem melhor para acabar esta série sobre os comentadores que pululam neste Jardim à beira-mar plantado que o José António Saraiva. Director do Expresso até se transfigurar no criador e director do seu arqui-inimigo "Sol". Convencido que é Senhor do conhecimento pleno, tanto do presente como daquilo que ainda não o é, considera-se ainda como o maior merecedor de um Nobel que teima em não lhe ser dado. Presunção e água benta, cada um toma a que quer.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

domingo, Novembro 26, 2006

Comentadores de Portugal - Os desportivos

Para esta série de comentadores ficar completa era indispensável falar aqui dos comentadores desportivos. Como há disso por aí aos montes, escolhi os “três estarolas” do “Dia seguinte”. José Guilherme Aguiar, Fernando Seara e Dias Ferreira. Um que fala de “quando eu era Presidente da Liga” e consegue passear-se pelas aldrabices do Pinto Dourado como se nada fosse, o outro, com o seu ar moralista vê penalties por todo o lado menos quando é contra o Benfica. Nuns dias os árbitros são humanos, noutros não passam de ladrões, tudo dependendo da baliza onde entrou a bola. Por ultimo, o homem que esparramado numa cadeira se chora, a eterna vitima do clube sempre enganado. Mal-educado que baste, ferve em pouca água e, se ainda há quem assista aquela “xaropada”, é na esperança que um dia ainda venha a pegar-se à estalada com o Seara.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

Comentadores de Portugal - Eduardo Prado Coelho

Ler o que Eduardo Prado Coelho escreve, faz-me sempre imaginar o que deverá ter pensado a primeira pessoa, que em 1910, que olhou para o retrato de “Ambroise Vollard” pintado pelo Picasso.
-
Se foi pintado por aquele gajo tão famoso, então deve ser bom, mas não percebo nada.
A diferença, aparece pouco tempo depois quando o quadro do Picasso nos prende, a atenção e os sentidos, para logo se revelar aos nossos olhos em toda a sua arte, enquanto o texto do outro só me dá a vontade de ir ler outra coisa qualquer.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

Comentadores de Portugal - Quadratura do Circulo

A Quadraloucura do Circulo

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

sábado, Novembro 25, 2006

Comentadores de Portugal - Miguel Sousa Tavares

O D. Quixote dos comentadores. Diz o que pensa, embora muitas vezes não pense muito bem no que diz. Tem a vantagem de chamar os bois pelos nomes, embora tenha alguma dificuldade de distinguir um boi de uma vaca. A sua recente posição contra a blogosfera, por ter sido acusado de plágio num blog anónimo, mostra bem como quando coloca as “palas”, acaba sempre a atacar moinhos de vento nunca acertando no alvo.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

Comentadores de Portugal - Lobo Xavier

O terceiro mosqueteiro da quadratura. Sempre que o vejo lembro-mo sempre daqueles cãezinhos que viveram nos vidros traseiros dos carros deste jardim com a cabeça a abanar e a dizer sim, sim, sim. O Pacheco é o carro, ele o sim.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

Comentadores de Portugal - Pulido Valente

Mais Valente que polido, Vasco Pulido Valente é certamente um dos comentadores mais comentados nos blogs. Um homem que diz uma coisa num dia e o seu oposto pouco tempo depois e em cada um dos casos consegue criar tantos “ódios” como “apóstolos”. Convive calmamente com o “ódio dos apóstolos”.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

sexta-feira, Novembro 24, 2006

Comentadores de Portugal - Jorge Coelho

Neste fim-de-semana de chuva que se aproxima, vão continuar a desfilar aqui no WeHaveKaosInTheGarden, os comentadores que fazem a notícia, o facto político e que falam, falam para dizer aquilo que todos já sabemos, ou para nos tentar convencer que aquilo que é, não é bem aquilo que parece ser, mas algo muito diferente. Falam mais do que dizem e nunca dizem aquilo que pensam.

O primeiro desta nova série é o coelhinho cor-de-rosa, Jorge Coelho, o homem que em tempos disse que quem se metesse com o PS levava. Com aquele seu ar mais “popularucho”, que nem os fatos feitos à medida lhe conseguem disfarçar, fala alto, mesmo que aquilo que diga não faça muito sentido. Durante anos, foi o homem que dominou o aparelho do PS, para agora andar a querer disfarçar-se de alguém mais afastado, mais crítico sobre a governação. Depois, sem mais nem menos, nos tentar convencer que as coisas são assim, têm de ser assim e que este é o único rumo a seguir. Muitas palavras para dizer muito pouco.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

An Arrangement

An Arrangement -1901Maurer

Em mancha de cetim negro/fumo
o olhar que escorrega sobre seda.
Tecidos macerados nos desejos
que atravessaram desertos,
desencontros e enganos
noites frias...
Salpicos de cores
indisciplinadas.
Inclinada.
A luz ilumina o rosto
e acaricia-lhe o corpo
suavemente.
Os vínculos do tempo
se vislumbram
e o destino
vem
ou
não vem.

AMARCORD

Violencia Infantil

Será que a entrevista do Sr. Silva na Televisão e o seu apoio às políticas do Sócrates pode ser considerada como violência infantil?

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

O Incredible super-vilão Carmone

O promotor do loteamento da Lismarvila, empresa do grupo Obriverca, previsto para a zona de Marvila, foi ontem aprovado pela Câmara de Lisboa, e caso o empreendimento venha a ser inviabilizado pelo governo, no sentido de evitar comprometer a construção do TGV e dos acessos para a terceira travessia do Tejo, pode vir a exigir do Estado uma indemnização superior a 60 milhões de euros. É que mesmo que venha a ser impedido de construir ninguém lhe tira os direitos adquiridos, nem a indemnização.
A proposta, subscrita pela vereadora do urbanismo Gabriela Seara foi aprovada com oito votos contra do PS, PCP e BE, a abstenção de Maria José Nogueira Pinto, votos favoráveis do PSD e o voto de qualidade de Carmona Rodrigues.

Como se já não bastassem os escândalos, as mordomias, a vergonha que tem marcado o mandato autárquico de Carmona Rodrigues, eis que nos surpreendem com a inqualificável atitude de aprovar um loteamento, apesar de saberem que por aquele local irão passar as obras da nova ponte sobre o Tejo, e que tal aprovação só irá fazer o estado gastar mais uns milhões para o impedir.
Esta forma de olhar e esbanjar os dinheiros públicos só deixa três alternativas: Ou é irresponsável, ou vingativo ou corrupto. Irresponsável porque não ser capaz de pesar as consequências das suas decisões, vingativo por com isto procurar levantar problemas a um governo só por este ter uma outra cor politica ou finalmente corrupto por permitir que um privado embolse um “jackpot” 60 milhões de euros sem nada ter de fazer para isso. Em qualquer dos casos o tempo de validade de Carmona Rodrigues há muito que já expirou. Está na hora da oposição “despedir” este senhor e devolver a palavra aos lisboetas. Tudo isto já cheira mal demais.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

quinta-feira, Novembro 23, 2006

Os sprinters e o corredor de fundo

Os protestos dos deficientes que estavam à beira de perder benefícios fiscais em 2007, devido à proposta do Executivo, deu frutos. O Governo cede, mas só em alguns pontos.
Quem decidiu dar ouvidos às queixas dos deficientes foi o grupo parlamentar do PS, que propõe a introdução de um regime transitório nas deduções à colecta dos sujeitos passivos com deficiência. O corte de benefícios, como se previa na proposta de Orçamento do Governo, só estará integralmente em vigor em 2009. Até lá, o corte de benefícios será gradual. Para isso, no ano que vem, apenas será considerado 80% do rendimento dos deficientes, e em 2008 apenas 90%.
In “Agencia Financeira”

Pois é, uma pequena vitória nas eliminatórias para os deficientes, mas a medalha de ouro da vitória na final irá sempre parar aos cofres do governo. Não vou aqui fazer juízos de valor sobre esta medida, já tão criticada por uns e defendida por outros, isso deixo à consciência de cada um.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

ADOLESCERE

Alexey Fedorovich Pakhomov 1900-1973
Young Girl in Blue

Rosto rosado em regaço repousado sob o azul,
à espera que o vento o agite ao acaso e progressivamente permita arriscar, timidamente, gestos amorosos mais ousados. Prelúdio para o conhecimento do corpo e do espírito, anunciando as promessas sensuais da adolescência.


AMARCORD

Porque hoje é quinta-feira

Mal os portões do casarão se abriram, a Sócretina correu por ali acima para só parar nos braços do Sr. Silva.
-Aníbal, meu querido Aníbal, tu fizeste de mim a pessoa mais feliz do mundo.
- Calma Sócretina, tu sabes que eu sou o teu maior admirador. Sem ti este mundo, que todos os dias olho aqui da minha varanda, não fazia sentido. És tu que o está a mudar e a fazer dele aquilo que eu sempre sonhei.
-Mas a tua coagem ao desfiares a tua família foi um gesto que eu nunca vou esquecer. Desculpa-me se algum dia duvidei de ti.
- Tu sabes bem que eu e a minha família já há algum tempo que não andamos muito bem. O miúdo do Mendes só anda para ai a dizer e a fazer disparates, o Santana já há muito que só diz mal de mim e o resto não passam de uns lambe botas. Tu vales mais que todos eles juntos.
-Mas tu gostavas da Manuela e do Borges. Eles não ficaram aborrecidos contigo?
-Não, eles sabem que nada disto que estou a fazer os vai prejudicar. Eles são a minha família mais próxima e um dia serão recompensados por estarem ao meu lado.
-Isso não entendo muito bem. É que eles nunca gostaram muito de mim.
-O que eles querem mesmo é ver-me feliz e sabem que neste momento só tu o consegues fazer. Eles compreendem-me.
-E a Maria, não te fez nenhuma cena feia, não te acusou de seres infiel?
- A Maria há muito que quer é tratar da sua vida e desde que eu limpe sempre os pés à entrada, baixe a tampa da sanita e não deixe pelos no lavatório nem a roupa espalhada no chão, não me chateia muito.
-O Aníbal, estou tão feliz com aquilo que fizeste comigo.
-Deixa lá isso agora e vamos até ali à nossa salinha para podermos estar mais à vontade.
Rapidamente dirigiram-se para a porta que fecharam atrás de si. O que lá disseram e fizeram não sabemos, só podemos imaginar.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

SIMBOLISMO INQUIETANTE

"No grande teatro da ilusão
não vale a pena,
não vale a penadlim dlão dlim dlão
apagam-se as luzes, esvazia-se a cena.”
Mário Botas, in Catálogo da Retrospectiva de Mário Botas, citado por Almeida Faria

A morte escondida na luxúria da beleza.
Poético, fantástico e onírico

AMARCORD

Os Dias da Festa da música

Este post há muito que andava para ser escrito, mas por um motivo ou outro foi sempre adiado. Se este blog fosse um jornal diário já nunca seria publicado, mas como não é, e sou eu que escolhe o que me apetece fazer, cá vai ele.

Ouvi a triste notícia de que o “Festa da Música”, talvez o maior acontecimento cultural deste país, e que já se realizava há sete anos, tinha dado o triste pio. Na voz do Presidente do CCB, Mega Ferreira, foi dito que por falta de dinheiro não ia ser possível a realização do festival, sendo este substituído por um outro, realizado nas mesmas datas, mas menos ambicioso, com metade dos espectáculos (de 115 para 51) e um terço do custo (de 1,2 milhões para 400 mil euros). Acaba a filosofia do Festa da Musica, dedicado a compositores e períodos da história da música, e aparece uma nova, a dos “Dias da Música” dedicado a um instrumento (este ano o piano) e aberto a outras áreas da música como seja o jazz e a música improvisada.

Se nos podemos sentir pesarosos por ver o fim desta “Festa”, abismados ficamos quando a Ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, que paralelamente com Rui Rio e Cavaco Silva representam o tridente da paupérrima imagem do que é a cultura em Portugal, nos vem dizer que não é por falta de dinheiro que a festa não se vai realizar, mas sim por uma mudança de orientação da Administração do CCB. Se tivesse ficado calada, todos nós acabaríamos por ter de aceitar a inevitabilidade da situação, assim sentimos que temos o direito a explicações que nos demonstrem quem fala verdade e quem nos anda a vender piano por orquestra.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

quarta-feira, Novembro 22, 2006

Contras vs Prós

A reincidência semanal da eloquência pastiche e da veneração subserviente ao sonho dos prazeres prometidos pelos detentores do poder.

No seu fetiche pela mercadoria de consumo, adorna as marcas sociais das condições da sua produção, com penas de pavão.


AMARCORD

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

Bibliotecas

The Library of Thorval Boeck
Harriet Backer (Norueguesa 1845-1932)

As leituras que se guardam no lusco-fusco,
e nunca se sabe onde estão.
Espreitam-nos,
desaparecem.
escondem-nos,
num estranho baralho.


AMARCORD

Uma Lisboa assombrada

Maria José Nogueira Pinto, durante a reunião da Assembleia Municipal de Lisboa (AML), desafiou Carmona Rodrigues a explicar os motivos pelos quais decidiu terminar a coligação por considerar que estava em causa o “nome” que a vereadora disse ter construído “ao longo dos anos na vida pessoal, profissional e política”.“Julgo que o mereço”.“Só o senhor presidente pode efectivamente dizer em que factos o senhor presidente fundamentou a deslealdade”.
In "Diário Digital"

Essa figura sinistra que há alguns anos assombra Lisboa, Carmona Rodrigues, muito por culpa do PS que apresentou como candidato à Câmara Municipal um tal de Carrilho, perante o pedido de explicações feito pela “Tia Maria José”, manteve-se mudo e calado. Numa total falta de respeito quer pela vereadora, quer pela Assembleia, quer pela população que o elegeu, remeteu-se ao silêncio. Este é afinal um facto que nem é novo, já que perante as trapalhadas que tem assolado a cidade a sua resposta, quando questionado pelos jornalistas, é um virar de costas e o silencio. Como anda triste esta minha cidade.
Eleições antecipadas são um cenário que muitos “alfacinhas” acreditam poder tornar-se uma realidade e esperam que o PS, não troque a necessidade de limpar a cidade desta gente, por pelouros ou lugares em empresas municipais, como aconteceu em Oeiras. Exorcizar Lisboa não só é necessário como urgente.
Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

Evolução e liderança

Um estudo efectuado pelos investigadores do WeHaveKaosInTheGarden conseguiu determinar a evolução da liderança politica dentro do PSD. Em poucos anos a liderança alterou-se do espécimen “Cavakus Horribilespara “Fugitis Chenius Barrosum”, “Calimerum Santaneris” até atingir o actual “Markacos Parvus Mendes”. Havendo outras correntes evolutivas dentro do PSD fica a duvida se esta espécie irá evoluir para a sub-espécie “Filipus Ridiculus Menezium”, “Manuelis Assustadorum Lactea” ou mesmo para um “Sebastionicus Antonius Borgeum”. Considera ainda este estudo que, pela forma rápida e degenerativa como a evolução se tem vindo a realizar, a hipótese de atingirem a fase de “amebas politicas” pode ser atingida muito brevemente.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

terça-feira, Novembro 21, 2006

O Herói oo Povo

Ontem à noite muitos portugueses viram, no programa Prós e Contras, Garcia Pereira ser o "justiceiro" que tantos desejavam. Num frente a frente com os representantes da Banca, falou, apontou o dedo e pôs a nu muito daquilo que, a todos nós nos revolta e contra o qual nos sentimos impotentes. A prepotência com que muitas vezes os banqueiros nos costumam brindar, desta vez não ficou sem resposta. O João Salgueiro, cedo meteu a viola no saco e deixou toda a defesa da honra da banca no vice-presidente do Millennium/Opus Dei, Filipe Pinhal. Defesa essa que passou sempre por se dizerem dentro da lei, sem se preocuparem com a moralidade e a decência daquilo que fazem. Até o próprio representante do governo, que como quase toda a gente evitou sempre ser frontal nas suas opiniões em desfavor da Banca, não pode acabar o programa sem, lamentar que a banca não se auto-regule mais e se esconda sempre por detrás de malabarismos legais. O único contra-ataque da banca contra Garcia Pereira, foi feito quando o acusaram de estar a chamar burros aos portugueses afirmando que todas as condições dos empréstimos estão no contrato assinado pelos clientes. Demagogia pura, já que num país que tem das maiores taxas de iliteracia da EU, entender todo aquele arrazoado de palavrões técnicos, números e referencias a leis e regulamentos, é quase impossível para a maioria da população. Garcia Pereira não nos chamou de burros, mas sim de vítimas de um sistema que usa e abusa de expedientes para nos enganar.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

O pobre coitado

Depois de ver a Sócretina coroar-se Imperador do Jardim, resolvi virar-me para a oposição a ver se via ali alguma resistência digna desse nome. Procurei e descobri que o Pequeno Mendes anda por terras de Vera Cruz a babar-se, enquanto vê uma sambista a bambolear-se à sua frente. Só me lembrou aquelas meninas de alterne a dançar e a passar as “maminhas” e o “cuzinho” pela cara dos clientes, sem que estes possam tocar nem que seja com um dedo. Até tive pena do pequenote.

Do outro, aquele mais balofo, e que é líder daquele partido pequenino, não o consegui encontrar. Ouvi dizer que andou por ai a elogiar a entrevista do Cavaco e a apoiar o aumento proposto pelo Sócrates para o ordenado mínimo, mas não se vê. Parece que, como ninguém gosta dele no partido, anda amuado pelos cantos. O melhor mesmo é ir-me habituando à ideia de que a novela das quintas-feiras com as visitas da Sócretina ao Sr. Silva ainda vai durar muitos anos.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

Promenade

Promenade - Chagall
Passeios lânguidos e mornos entre metamorfoses de sonhos que nos embalam.

AMARCORD

O Imperador Sócrates

Quem olhasse para a política portuguesa, há meia dúzia semanas, pensaria que este rei estaria a braços com o início de uma revolução. Após uma “rentré” atribulada, com uma manifestação de 30 mil professores, uma de funcionários públicos de 90 mil, um ministro a anunciar o fim da crise enquanto outros pediam sacrifícios em nome dessa mesma crise, um secretário de estado que veio anunciar-nos que a nossa conta de electricidade ia aumentar 16%, culpando-nos a nós consumidores por isso, um orçamento que aumentava impostos a pensionistas e deficientes, guerra com as autarquias e com o governo regional da Madeira e mais um monte de trapalhadas de que já nem me lembro, parecia que o caminho não tinha regresso possível. Parecia que este governo se estava a desmoronar, os nossos brilhantes comentadores anunciaram o fim do estado de graça, falaram em remodelação, e as sondagens começaram a mostrar desgaste no PS. Como se de magia se tratasse, Sócrates bate toda a oposição no debate do orçamento, faz-se reeleger no PS e coloca aqueles comentadores que lhe previam um trambolhão a aplaudir os seus discursos no congresso, lança para a praça pública a indignação sob algumas das “trafulhices” utilizadas pelos bancos para nos “chupar” mais o sangue, torna-se um quase nada mais maleável nas negociações com os sindicatos, propõe um aumentozito um pouco maior para o ordenado mínimo e consegue convencer o Cavaco a colar-se ás suas medidas e a ir a uma televisão dar uma entrevista a dizer Ámen a tudo o que tem feito. Como se isto não bastasse, a pequeníssima oposição existente resolveu começar a lavar na praça pública as suas guerras internas. O Sócrates aplaude e já pode coroar-se como Imperador deste jardim. Esperemos que não vitaliciamente.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

segunda-feira, Novembro 20, 2006

Lá se foi o cordão Umbilical

Depois da entrevista do Sr.Silva, em que elogiou a governação do Sócrates, e de Marques Mendes ter dito exactamente o contrário na visita ao Brasil, consumou-se o corte umbilical entre os dois. Se o pequeno Mendes já era um filho não desejado agora, depois do Cavaco ter parido as afirmações que pariu cortou-se definitivamente o laço que os unia.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

DAUPHYNE

Moldura da ritualidade teatral de Versalhes num mundo de decadência dourada e alienada .

AMARCORD

O Filme Negro do Marques Mendes

Uma semana negra para este pequeno realizador de filmes de oposição. Com a crise que se prolonga no seu "Estúdio", as ultimas produções têm sido autênticos desastres. Viu o seu guru e patrocinador principal, que habita num palácio em Belém, dar uma entrevista em que elogia o seu arqui-inimigo Sócrates, afirmando-o como um grande actor e o grande reformador deste filme em que todos vivemos, abrindo-lhe já as portas da vitória do “Óscar Eleições 2009”. Ter ido para o Brasil dançar o samba dos despeitados em nada lhe melhora a imagem e só vai fazer com que Cavaco, que já o considera como um actor secundário, o despromova a simples figurante.

Também na produção do filme “A grande trapalhada da Câmara Municipal de Lisboa” as coisas não lhe correm bem. Para evitar que um actor, que não faz parte dos seus bajuladores, fosse nomeado para um papel importante, resolveu escolher um outro. A actriz principal do Estúdio CDS, recusou, zangaram-se as comadres e o “Carmona” rasgou o contrato. Agora, a as filmagens parece comprometida e provavelmente a sua continuação será entregue a outros. Dos estúdios do norte Luís Filipe Meneses aponta-lhe o dedo acusando-o de não respeitar as normas do PSD.

Pior não podia ter sido.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

Comentadores de Portugal - Vasco Rato

Este até nem tem aparecido muito, mas não podia deixar de o incluir nesta galeria tal é o asco que as suas palavras me faziam sentir. Uma coisa obtusa com ideias de fazer vomitar um santo. Simplesmente abjecto.
.
PS: Por esta semana termina aqui esta colecção de comentadores. Proximamente uma segunda série já que esta é uma espécie que se tem reproduzido em grande quantidade e muito rapidamente.
.
Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

domingo, Novembro 19, 2006

Comentadores de Portugal - António Vitorino

Este menino tem sido ao longo do tempo sempre levado de carrinho. Apareceu como alguém de uma competencia extraordinária, mas até hoje só tem sido bom é a jogar ao toca e foge. Sempre que é a sua vez de jogar, lá vai ele a fugir que ninguém o agarra. Como comentador, é uma no cravo outra na ferradura. O cravo de tanto apanhar já está em más condições e a ferradura continua a acentar muito bem nos pés de muitos que ele elogia.
.
Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

Comentadores de Portugal - Pacheco Pereira

Aqui está o patrono do comentador portugues. Senhor da verdade absoluta, largas as suas postas de pescada, como se da sua boa só saissem pérolas de sabedoria. Contra o errado de todo o pensamento humano, apresenta as suas verdades, dogmas de compreensão e de saber. Qual profeta, lança a sua ira contra os inimigos da fé americana, os comunistas, socialistas, islamitas, esquerdistas, budistas, e todos os outros istas que não perfilham dos seus ideais. Sem ele, não haveria um sol para iluminar o mundo.
.
Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

Comentadores de Portugal - Nuno Rogeiro

A grande dúvida sobre este homem consiste em saber se é um comentador que faz uns biscates de espião ou se pelo contrário é um espião que tenta ganhar mais algum por fora a fazer comentários nas televisões. Considerado como o primeiro espião polimorfico, ou seja dos 204 países que existem, trabalha com espião para 203 deles, só não o fazendo para Portugal, porque lhe pagam mais como comentador. Sabe tudo, desde as cores das cuecas do Mahmoud Ahmadinejad, passando pelo número de estagiárias que passaram por debaixo da secretária do Clinton, até ao nome do barbeiro de Kalkot Mataskelekele, que como sabem é o Presidente da Republica de Vanuatu. Vejam lá, que parece que até sabe o que é o esternocleidomastoideo.
KAOS
.
Nuno Rogeiro é um comentador que encerra o paradigma - aquilo que não está lá para ser descrito, precisa ser constituído. Através de um jogo de induções progressivas e introduções sucessivas, acentua a importância da "virtualidade", tratando a informação como restos diurnos dos seus pesadelos. O resultado é um levantamento tendencioso ornado de fábrica de pensamentos e re-significações. Um sabichão folclórico e polimorfo.
AMARCORD
.
Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

sábado, Novembro 18, 2006

Comentadores de Portugal - Marcelo rebelo de Sousa

Aqui o nosso fadista que canta bem mas não me alegra. Bom comunicador, sorridente, tem o defeito de falar mais a pensar em si e no seu futuro que em comentar em consciência. Ficou conhecido por ser um “criador de factos políticos” e nunca foi capaz de abandonar essa sua forma de estar. Implacável quando os seus interesses estão em jogo, mas também sempre sorridentemente hipócrita na forma como os esconde sob a capa de “bonzinho”. Sonha ser Presidente da Republica e não há quem ele não esteja disposto a pisar para atingir os seus fins. Frio por natureza, populista por opção.
.
Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

Comentadores de Portugal - Paulo Portas

Como não podia deixar de ser o "Paulinho das feiras" tinha de estar presente nesta mostra. Coisa peneirenta, sempre com aquele ar de santinho, de incorrupto e impoluto ser, lá vai destilando o seu veneno neo-liberal. Referindo-se sempre à esquerda como uma peçonha, culpada de todos os males do mundo, apresenta-se no cenário mais surrealista e pacóvio de que há memória na televisão em Portugal, tendo ainda o pretensiosismo de chamar “Estado da Arte” aquela xaropada.

PS: Como fiquei na dúvida de qual das imagens colocar no post, coloquei todas.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

Comentadores de Portugal - Luis Delgado

Este fim-de-semana, aqui no WeHaveKaosInTheGarden, vamos prestar a nossa homenagem a essa gente, esses artistas, que conseguem falar de tudo e durante o tempo que for necessário, mesmos não percebendo de nada. Os comentadores.

Para começar, quem melhor que o famoso Luís Delgado, adorador de Santana Lopes e agora apaixonado por José Sócrates. Se há comentador que nos tenha feito soltar algumas gargalhadas perante as suas opiniões, mas sobretudo perante as suas previsões, ele é Luís Delgado.
.
Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

sexta-feira, Novembro 17, 2006

Os exércitos do Menino Guerreiro

O Menino Guerreiro parece estar cheio de vontade de voltar a conquistar a liderança do PSD. Para isso conta com "vários exércitos" dentro do partido. Vamos a ver se não acaba ainda sem cabeça (embora muitos digam que nunca a teve).
.
PS: Sei que tanto Santana já pode aborrecer, mas não resisti a fazer-lhe o boneco de menino guerreiro frente ao seus exércitos.
.
Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

Partilhe